AUTONOMIA ALIMENTAR

Ao seguir os princípios da restauração de ecossistemas, trabalhamos rumo à autonomia alimentar. Desde 2008, expandimos as nossas hortas de vegetais e frutos biológicos, sendo o armazenamento de sementes fundamental para este processo. Agora, e cada vez mais, estamos focados em colaborar com parceiros locais com o objectivo de fomentar a autonomia regional ao nível da alimentação. Ao desenvolvermos conhecimento prático sobre o cultivo de alimentos, queremos demonstrar como comunidades e regiões em todo o mundo podem deixar de compactuar com uma indústria alimentar criminosa e com as suas políticas de globalização. Cooperamos com a natureza e todos os seres, cientes de que a Terra providencia recursos em abundância, e deixamos sempre parte das nossas colheitas para as criaturas que habitam connosco este terreno.

“Apesar dos problemas do mundo serem cada vez mais complexos, as soluções permanecem embaraçosamente simples. (…) Só estaremos verdadeiramente seguros quando ao olhar pela janela da nossa cozinha virmos a nossa comida a crescer e os nossos amigos a trabalhar por perto.”

BILL MOLLISON

Visão

O nosso parceiro do Campus Global, Philip Munyasia do OTEPIC, no Quénia, descreve a nossa visão para a autonomia alimentar:

“Actuem localmente, cultivem em abundância e sem químicos, partilhem e façam trocas com os vossos vizinhos, gerem receita com os excedentes, armazenem sementes, reciclem resíduos e façam compostagem, aprendam a tratar a água como um organismo vivo, cozinhem com energia solar, (ou biogás), plantem árvores, construam modelos sustentáveis e juntem-se à revolução alimentar global.”

Recorrendo a técnicas agrícolas naturais, queremos alcançar autonomia alimentar ao nível regional. Estamos a estabelecer uma rede de cooperação com os nossos vizinhos, quintas biológicas e pequenos produtores da região do Alentejo. A nossa meta é a criação de uma cooperativa na qual diversas pessoas da região possam integrar de novo os ciclos alimentares locais. Após um encontro de comunidades em Abril de 2016, foi criado o Mapa da Região Autónoma do Sul de Portugal, onde figuram mais de 100 iniciativas de comunidades, produtores de alimentos, profissionais de saúde e activistas sociais. O mapa mostra os recursos de cada projecto e as suas necessidades (sobretudo relativamente ao fornecimento de alimentos) bem como o que podem oferecer e partilhar, seja maquinaria, tractores ou espaços de armazenamento. O plano a longo prazo visa transportar este modelo para um centro de ajuda mútua e educação, onde se partilhem bens e serviços, onde se processem alimentos e se realizem eventos culturais.

Armazenar Sementes

Armazenar sementes – autonomia em sementes – é uma questão altamente política nos dias que correm e uma questão de sobrevivência para nós, seres humanos e para a Terra. Sabemos que quem controla as sementes controla a nossa cadeia alimentar. Trabalhamos para recuperar o controlo e aumentar a diversidade das nossas colheitas, administrando o nosso próprio banco de sementes e jardim de sementes, e participando em trocas locais de sementes. A autonomia descentralizada no tema das sementes é parte crucial da autonomia regional e da construção de uma cultura de paz, com pessoas independentes.

A Vida Aquática

A construção de lagos de acordo com o design das Paisagens de Retenção de Água poderá fornecer respostas a questões de nutrição e da sobrepesca dos oceanos, que hoje provoca efeitos desastrosos. Diversos peixes, caranguejos e outros animais aquáticos vivem hoje nos vários reservatórios de retenção que construímos. A formação de zonas profundas e rasas e a vegetação abundante nas margens, fornecem-lhes áreas protegidas para a desova e alimentação. A riqueza destes habitats aquáticos atrai muita vida selvagem, como lontras, corvos-marinhos e cegonhas. Na Terra Deva, procuramos descobrir se comer peixe pode ser parte de uma cultura não-violenta.

Resultados

Agricultura e Processamento de Comida em Tamera
  • Desde 2007, criámos vários hectares de terra cultivável para o crescimento de vegetais e frutas, no seguimento da construção de espaços de retenção para a água da chuva, através de:
    • cultivo dos campos no nosso vale sul, com recurso a tractor,
    • cultivo de hortas nos terraços do Lago 1, em 3000 m² de terreno inclinado e 1000 m² de área plana para plantio;
    • jardim de permacultura urbana no nosso Campo de Testes Solares.
  • Mantemos o olival que herdámos, com aproximadamente 350 oliveiras, que nos dá aproximadamente 4 toneladas de azeitonas por ano.
  • Usando tecnologia solar, produzimos, preservamos e armazenamos ervas, chás, compotas, frutas secas, vinagre, óleo, conservas de tomate e muitos outros produtos na nossa cozinha de processamento.
Autonomia Regional
  • Organizamos regularmente mercados regionais, onde produtores e consumidores locais se reúnem para trocar mercadorias, fomentando a produção local e o intercâmbio económico.
Armazenar Sementes
  • Temos 2 hortas orgânicas e uma casa para secagem, processamento e armazenamento de sementes.
  • Para manter a diversidade, participamos em trocas locais de sementes.

 

Durante o nosso Campo de Colheita de Sementes, cultivamos, colhemos, limpamos e armazenamos sementes.

www.tamera.org

ng-right:0px;padding-bottom:25px;padding-left:0px}.et_pb_section_8{display:none!important}}@media only screen and (max-width:980px){.et_pb_section_0{padding-top:50px;padding-right:0px;padding-bottom:50px;padding-left:0px}.et_pb_section_3{padding-top:50px;padding-right:0px;padding-bottom:50px;padding-left:0px}}@media only screen and (min-width:768px) and (max-width:980px){.et_pb_section_8{display:none!important}}