História

Os anos 60 assistiram ao pico da Guerra Fria, o primeiro homem na lua, o “verão do amor” e revoltas estudantis em muitos países. Durante estes tempos de rápidas mudanças, Dieter Duhm publicou “Angst im Kapitalismus” (Medo no Capitalismo) – um sucesso de vendas no movimento de esquerda alemão. Na altura, ele cunha a frase, “revolução sem emancipação é contra-revolução” que significa que uma revolução não pode ser bem sucedida no exterior a menos que também seja realizada interiormente. Apesar do entusiasmo inicial, o movimento dos estudantes perde-se em lutas internas baseadas em dogmas, desintegrando-se finalmente. Duhm continua a tentar, procurando estabelecer uma alternativa viável ao sistema de violência vigente.

1978: Início do projecto

Em Maio de 1978, após vários anos de pesquisa, Dieter Duhm, monta a primeira experiência comunitária no sul da Alemanha conjuntamente com Sabine Lichtenfels, Charly Rainer Ehrenpreis, Sarah Vollmer e mais oito pessoas. Designado projecto “Bauhuette” (palavra alemã para ‘abrigo dos construtores’ inspirada no abrigo dos Templários usado aquando da construção de Chartres), o objectivo era criar um centro de pesquisa inter-disciplinar, capaz de atrair especialistas em biónica, arquitectura, autonomia alimentar e novas tecnologias. Este grupo apercebe-se de que não será capaz de criar nenhuma solução duradoura caso não encontrem um enquadramento social sustentável, e que precisam de observar os conflitos internos. A questão central do projecto é: “como podem as pessoas viver juntas a longo prazo e em confiança?

1983: Experiência Social

O grupo cresce a partir de um pequeno número até sermos 50 pessoas empenhadas em permanecer juntas durante 3 anos na Floresta Negra, para estudar como construir uma comunidade funcional. Irrompendo até ao hipocentro da vida, as experiências começam com investigações sobre vórtices, tratamento de águas residuais e técnicas de construção. Ao contrário de outras comunidades eles exploram assuntos frequentemente ignorados – sexo, amor e dinheiro. Vivem sobre o mote “nada do que é humano me é estranho”, usando o teatro e a arte para redescobrir a verdade por detrás da alienação da nossa cultura e perscrutar os poderes regenerativos da vida. Exploram as premissas para a base de uma comunidade.

Desenvolvimento do “Forum”

“SD Forum“ é uma abreviatura da palavra alemã “Selbstdarstellung“, que significa auto-representação. Os membros reúnem-se todos os dias para o Fórum, para revelarem o que está a acontecer dentro de si mesmos e à sua volta. Num contexto protegido, partilham os seus conflitos, alegrias e desejos escondidos, sem receio de serem julgados. Neste espaço de solidariedade, os indivíduos aprendem a expressar-se de forma teatral, libertando-se do interminável e cansativo ensimesmamento. Aperceberam-se que ver é amar e que a honestidade e auto-revelação geram confiança.

Descobrindo a liberdade sexual

Ao libertar o amor e a sexualidade do medo, a comunidade encontra o mais profundo e crucial aspecto da sua pesquisa – a cura do amor. O ambiente de confiança gerado na comunidade permite aos participantes experienciarem o que de outra forma seria difícil de imaginar- expressar e perseguir abertamente a sua verdade erótica, consagrando a solidariedade entre homens que amam a mesma mulher e vice-versa. Eles lançaram as bases para um amor livre de ciúmes, mentiras e traições. Os média alemães estão indignados, e iniciam uma campanha de difamação em meados dos anos 80. A comunidade responde com a publicação dos seus pensamentos e inspirações para uma cultura erótica pacífica.

O Plano dos Biótopos de Cura

A experimentação social dá origem a uma visão de paz mais abrangente. Dieter Duhm desenvolve a sua Teoria Política baseando-se na pesquisa sobre a forma como a informação molda os campos que orquestram o nosso comportamento colectivo. Com isto em mente, ele formula uma estratégia para a paz global, a ser alcançada através de uma rede de Biótopos de Cura and peace villages that create a field for living nonviolently on Earth.

1991: ZEGG – “Centro para uma Cultura Experimental e Desenho Social”

Em 1991, no nordeste da Alemanha, membros da comunidade original fundam uma organização chamada ZEGG, uma comunidade e um centro educativo sem fins lucrativos, que rapidamente se transforma numa organização independente. Várias pessoas que hoje trabalham em Tamera viveram e trabalharam em ZEGG.

“Eros Unredeemed” é publicado

Eros Unredeemed” (Eros Enclausurado) de Dieter Duhm é publicado pela Verlag Meiga.

1992: Escutar mais profundamente

Paralelamente, Dieter Duhm, Sabine Lichtenfels e mais algumas pessoas preparam uma residência aberta e centro de cura em Lanzarote. Membros do grupo dirigem “La Massilia“, uma versão anterior da “Escola do Amor”. Outros desenvolveram o “Kairos” – um barco para o estudo de golfinhos.Sabine começa a organizar acampamentos do deserto em Lanzarote e Portugal para compreender os efeitos da oração e para receber visões. A partir deste trabalho Sabine começa a investigar as culturas matriarcais pacíficas da pré-história, particularmente em Portugal. Conhecida pelos Gregos antigos como a “terra das serpentes”, a região ainda contém uma forte sabedoria feminina.

Estabelecimento de uma Aldeia de Paz

Durante os acampamentos do deserto, o grupo pergunta “onde podemos criar um lugar para fundar o projecto global dos Biótopos de Cura?” Portugal surge como uma boa hipótese pois tem um historial de abraçar movimentos radicais. Porque muito do território está ecologicamente degradado, é o lugar perfeito para mostrar como é possível criar um paraíso num pedaço de terra estéril.

1995: A fundação de Tamera

O grupo escolhe o Monte do Cerro, uma área de 140 hectares de terra subdesenvolvida, em forma de águia, no Alentejo rural de Portugal. Durante uma meditação numa nascente existente no local, o nome “Tamera” chega a Sabine. Mais tarde, descobrem que esta é uma palavra egípcia que significa “terra de água” (e um nome primitivo usado para designar a região do Egipto). Graças à generosidade de patrocinadores privados, o local é comprado em 1995.

Sonhando a terra

Ao invés de aplicarem um plano pré-estabelecido, vivem como artistas e ecologistas empenhados, ligando-se ao sonho adormecido da terra que aqui se quer tornar real. Na sua primeira visão, vêem o grande lago que construirão em 2007. O reino animal acolhe-os de maneira surpreendentemente amigável e ocorrem encontros de invulgar confiança com animais selvagens. Começam a comunicar com seres visíveis e seres invisíveis e a receber orientação para a construção do Biótopo de Cura. Mais tarde este torna-se o trabalho de Terra Deva.

Infra-estrutura

Um pequeno grupo cria a infra-estrutura básica que inclui oficinas, estúdios, escritórios, salas de seminário e alojamento. Inicia-se a reflorestação criando jardins e plantando árvores. Tudo suportado por fundos privados e donativos. Iniciam-se as experiências no âmbito da pesquisa energética e ecologia.

A primeira Universidade de Verão

100 pessoas de diversos países vêm visitar. Este foi um marco no começo dos programas educativos e conferências.

1996: “Weiche Macht” (Poder Suave) é publicado

Verlag Meiga publica o livro “Weiche Macht” (Poder Suave) de Sabine Lichtenfels sobre a visão de um novo movimento feminino, baseado num novo amor para com os homens.

1999: O grande fogo

A 31 de Janeiro de 1999, a meio da noite, a grande sala da comunidade – o edifício principal de Tamera – incendeia-se. Felizmente ninguém fica ferido. A comunidade vê tudo ser reduzido a cinzas. Com tudo perdido, a comunidade é renovada na solidariedade para a reconstrução. A rede solidária à volta de Tamera é forte e a ajuda chega de todos os lados. Novas estruturas temporárias como a tenda de conferências, cabanas, contentores, caravanas e casas de madeiras são construídas, assim como um edifício permanente para o Instituto de Trabalho pela Paz Global.

2000: Inicia-se o trabalho pela paz global

O Instituto de Trabalho pela Paz Global é inaugurado e começa a estabelecer ligações e colaborações com activistas empenhados, pensadores, aldeias de paz, projectos educativos e movimentos sociais espalhados pelo mundo. Isto inclui solidarizarmo-nos com iniciativas corajosas no sul global como a comunidade de paz colombiana San José de Apartadó, dirigindo campanhas e formando redes.

2001: Médio Oriente

Depois do irromper da segunda intifada em Israel-Palestina, os colaboradores de Tamera apercebem-se que não é mais possível ficar a assistir passivamente ao desenrolar de tais eventos. Sabine Lichtenfels durante uma meditação tem uma visão sobre como a paz pode ser alcançada no Médio Oriente. Esta mensagem é difundida por muitos parceiros e marca o acelerar da constituição da nossa rede de trabalho global.

“The Sacred Matrix” (Matrix Sagrada) é publicado

A Verlag Meiga publica o livro de Dieter Duhm “The Sacred Matrix” (Matrix Sagrada) sobre a transição da matriz de violência para a matriz sagrada da paz, propondo os Biótopos de Cura como comunidades futuras auto-suficientes, “viveiros de confiança” e “acupontos de paz”. O livro almeja transmitir os anos de pesquisas e conhecimento para a geração vindoura.

Mudança de Geração: 2001-2006

Dieter Duhm e Sabine Lichtenfels começam a oferecer programas de educação para a paz dirigidos aos jovens. Forma-se um grupo, do qual fazem parte Benjamin, Robert, Vera, Mara, e outros intimamente ligados ao trabalho pela paz e à filosofia de Tamera, para ensinar os jovens de hoje e criar o Campus Global. A nova geração de líderes continua, hoje, apoiada pelos mais velhos e mais experientes integrantes do projecto.

2002: O primeiro Campo Internacional para a Paz

A visão de uma Aldeia de Pesquisa de Paz no Médio Oriente surge após um acampamento de 3 semanas. Muitas jornadas são feitas a esta terra para realizar campos de paz com participantes de ambos os “lados”. Um grupo de Palestinianos, Israelitas e estrangeiros debruça-se sobre este tema, usando Tamera como terreno de estudo.

2003: Rede Global de Eco-aldeias (GEN)

Tamera junta-se à GEN – uma base de soluções multilaterais que fornece informações, ferramentas, exemplos e representação global à rede em expansão daqueles que se dedicam ao desenvolvimento e demonstração de princípios e práticas de sustentabilidade.

“Recusamo-nos a ser Inimigos”

Um grupo de músicos de Israel e da Palestina e um grupo de teatro de Tamera fazem uma digressão pela Suíça e Alemanha, com a peça “Recusamo-nos a ser Inimigos“.

2004: Construção do Círculo de Pedras

96 pedras, representando os elementos arquetípicos de uma comunidade do futuro, são erigidas ao longo de 5 anos. Algumas têm cosmogramas cinzelados. O círculo é a “catedral natural” de Tamera. O Círculo de Poder aí acontece todas as manhãs de Segunda-feira.

 

2005: A primeira Peregrinação Grace

Abalada pela ameaça de Guerra contra o Irão, Sabine Lichtenfels inicia uma peregrinação pela paz; sem dinheiro, vai desde Portugal até ao Médio Oriente. Ao chegar a Israel-Palestina vários meses depois, com Benjamin von Mendelssohn, ela convida um grupo de 40 pessoas, incluindo Israelitas, Palestinianos e estrangeiros para se juntarem à primeira Peregrinação Grace, caminhando por Israel e a Cisjordânia num manifesto pela Paz, justiça e reconciliação.

Sabine é nomeada para o Prémio Nobel da Paz como uma das 1000 Mulheres pela Paz no Mundo.

2006: Educação para a Paz – Monte do Cerro

Início da educação para a paz. 100 pessoas de Tamera, 100 activistas e estudantes de todo o mundo começam um programa de 3 anos de estudo e encontros. Esta é a preparação do caminho para a educação hoje existente.

Construção do edifício “Aula”

Sabine e a comunidade fazem uma peregrinação para angariar fundos para um novo espaço comunitário. Oferecendo lugar para 400 pessoas, com paredes de 8 metros de altura, a Aula – o nosso auditório – é a maior construção em COB da Península Ibérica, e foi construída por membros da nossa comunidade e amigos de Tamera. A comunidade de Tamera e todos os convidados reúnem-se aqui aos Domingos de manhã e em eventos especiais.

Construção da Aldeia da Luz

8 mulheres, na sua maioria com mais de 60 anos, constroem esta “Aldeia da Luz“. Proporciona espaço para ateliers de costura, olaria, ervanária, tudo construído com adobe e madeira de origem local. Um centro de conhecimento feminino e um espaço comunitário, com “qualidade de avó”, é um lugar criativo de encontro que alberga homens e mulheres.

Criação do “Campus Global”

Uma rede de centros planetários para a paz começa a trabalhar em conjunto. Isto inclui seminários, acções pela paz, peregrinações, e apoio a construções em Israel-Palestina, Colômbia, Brasil, Quénia, México e Portugal. Em 2015, mais de 30 lideres envolvidos em diferentes iniciativas vêm a Tamera para aprofundar a sua educação e fortalecer a sua cooperação, sob orientação de Vera Kleinhammes. Como resultado, diversos encontros educativos são realizados na Colômbia.

Publicação do livro “Grace Pilgrimage” (Peregrinação Grace)

A Verlag Meiga publica o livro de Sabine Lichtenfelds, “GRACE: Pilgrimage for a Future without War” (Grace: Peregrinação por um Futuro sem Guerra), sobre a peregrinação à Terra Santa, Israel e Palestina.

2007: Construção da Paisagem de Retenção de Água

Em 2007, começa a construção da Paisagem de Retenção de Água, inspirada e apoiada pelo permacultor austríaco Sepp Holzer. Em 31 de Dezembro de 2008, o Lago 1 atinge a sua capacidade máxima. O desenvolvimento continua nos jardins de permacultura – lagos, lagoas, pântanos e terraços – e na paisagem de água.

Mais Peregrinações Grace 2007-2010

Em 2007 em Israel-Palestina, em 2008 na Colômbia, em 2009 em Portugal e em 2010 novamente na Colômbia.

2009: Construção do Campo Experimental de Energia Solar

Após 5 anos de colaboração com o físico Jürgen Kleinwächter, constrói-se este espaço experimental, testamos e desenvolvemos invenções para a autonomia de energia solar combinada com a gestão da água e produção de alimento. Estas tecnologias são usadas e testadas no dia-a-dia. Gradualmente, outros especialistas e colaboradores juntam-se à equipa e ampliam a rede de trabalho, por exemplo o especialista de biogás T.H. Culhane e a Blueprint Alliance.
Descobre mais…

2011: Início do simpósio anual sobre a água

O primeiro simpósio sobre água e paisagens de retenção, liderado pelo visionário de Tamera no tema da água, Berndt Mueller, reúne especialistas em água, trabalhadores humanitários, funcionários de governo, empresários, patrocinadores, e jornalistas. A partir destas reuniões, iniciámos uma colaboração a nível global para a promoção e manifestação de um novo paradigma para a água como resposta à desertificação e às alterações climáticas.

2012: Começo da Escola Global do Amor

Parceiros de todo o mundo juntaram-se para o primeiro encontro anual da Escola Global do Amor. Os participantes comprometem-se a reunir-se durante 3 anos. O seu objectivo é o de criar uma base ética duradoura, um núcleo de verdade, confiança e apoio mútuo para uma rede planetária de indivíduos e comunidades a trabalhar para a cura do amor por todo o mundo.

Menção honrosa do Buckminster Fuller Institute

Tamera recebe uma Menção Honrosa pela sua Paisagem de Retenção de Água no concurso “Design Socialmente Responsável”.

 

2013: Visitas do Campus Global

Delegações de Tamera viajam para todas as estações base externas do Campus Global e organizamtrocas anuais e intercâmbios.

Início da rede Terra Nova

Em Maio de 2013, começamos a fornecer materiais para formar grupos locais, estudando os fundamentos da Terra Nova. Em 2016, o nosso alcance educativo altera-se para cursos online. Os planos futuros incluem a criação de uma plataforma de média global para o movimento Terra Nova.

Iniciativa Religiões Unidas

Tamera junta-se à Iniciativa Religiões Unidas, na promoção do diálogo diário e duradouro inter-religioso, para por fim à violência gerada por motivações religiosas e para a criação de culturas de paz, justiça e cura para a Terra e todos os seres vivos.

2014: Arranque do processo “PIER”

Candidatamo-nos à alteração de classificação de terras para podermos construir mais infraestruturas. O município de Odemira decide acompanhar-nos no processo PIER (“Plano para a Integração no Espaço Rural”). O nosso plano é publicado sem objecções; este processo ainda está em andamento.
Descobre mais…

Verlag Meiga publica “Terra Nova: Global Revolution and the Healing of Love”

O livro de Dieter Duhm, “Terra Nova: Global Revolution and the Healing of Love” (Terra Nova: Revolução Global e a Cura do Amor) mostra como um campo morfogenético de paz é organizado a partir de dentro, e a que forças ele se pode conectar para se opor às forças globais de violência e, assim, possibilitar um futuro sem guerra. Em 2014 é publicado em alemão e em 2015, é publicado em inglês.

2015: Aumento do alcance regional

Aumentamos o nosso compromisso com a rede regional, construindo alianças com municípios, agricultores biológicos e outras comunidades emergentes, para garantir a sustentabilidade ecológica e social do Alentejo. No Outono de 2016, 30 pessoas de Tamera e parceiros locais fazem uma peregrinação ao longo da bacia hidrográfica do Sado para aumentar a consciencialização sobre a situação da água e apresentar soluções.

2017: Início da Escola Akron

Início da formação interna sobre liderança e contínua educação espiritual no nosso Ashram Político.

Encontro “Defend the Sacred”

Em Agosto de 2017 recebemos activistas, líderes de movimentos, jovens e anciãos indígenas provenientes de 40 países e com experiência em activismo sagrado. O objectivo é reconciliar a sabedoria Indígena com o pensamento futurístico. O encontro dá origem a um manifesto sobre como uma comunidade global em crescimento pode erguer-se pela vida, pela água e por um futuro no qual valha a pena viver, em qualquer parte do mundo.

No dia 12 de Agosto, a arte aérea na praia de Odeceixe desempenha um papel essencial, na tentativa de impedir os planos para a exploração de petróleo em águas profundas da costa portuguesa. Esta campanha conta com a nossa participação desde Janeiro de 2017.
Descobre mais…

www.tamera.org