O Nosso Futuro

Temos uma visão clara e planos detalhados para a expansão das infra-estruturas de Tamera, para que tenhamos capacidade para convidar outros trabalhadores de paz para viver e aprender connosco. Queremos estabelecer um modelo regenerativo para o futuro e, para isso, trabalhamos na alteração do ordenamento do território. Juntamente com o município de Odemira, estamos a accionar o PIER – Plano de Intervenção em Espaço Rural.

A Nossa Estratégia

Estamos a desenvolver uma estratégia para a paz global – o Plano dos Biótopos de Cura. Biótopos de Cura são centros de estudo e pesquisa que modelam uma nova cultura de paz. Uma rede destes biótopos tem o potencial de criar um campo morfogenético para a coabitação não-violenta na Terra. Implementamos este plano localmente na região do Alentejo, em Portugal, e preparamos Tamera para se tornar o primeiro Biótopo de Cura plenamente funcional.

A Nossa Visão

Queremos que Tamera se torne um centro de educação global, treinando indivíduos do mundo inteiro que pretendam co-criar uma nova cultura planetária. Actualmente, cerca de 2.000 trabalhadores de paz, estudantes e visitantes deslocam-se a Tamera todos os anos. Nos próximos 20 anos queremos fazer com que um número ainda maior de pessoas possa ver como é possível viver em harmonia com a natureza, numa relação regenerativa; num espaço onde a energia que utilizamos, os alimentos que comemos, a água que bebemos e os materiais que utilizamos são produzidos localmente de forma sustentável e abundante. Aos que visitam Tamera, queremos possibilitar a experiência de uma vida em comunidade baseada em confiança, reconciliação e cura, fazendo de Tamera um local de aprendizagem que capacite os participantes a transmitir conhecimentos e técnicas para a criação de espaços semelhantes noutras partes do mundo – ajudando a construir Terra Nova.

Os Nossos Planos

Para atingir estes objectivos, há que construir um modelo regenerativo para uma comunidade de centenas de pessoas, expandindo as nossas infra-estruturas. Um modelo futurístico que vá ao encontro das necessidades, desejos e aspirações desta comunidade, como exemplo para a superação dos desafios que enfrentamos como humanidade no século XXI. Baseado na cooperação com a natureza e na construção com materiais naturais, o modelo pretende tornar obsoletas as leis de protecção ambiental, ao tornar a cultura humana e a natureza numa unidade sinergética.

Num raio de 50 Km de Tamera, temos todos os materiais necessários à construção ecológica e solar passiva – pedras, madeira, argila e palha. A Aula é um exemplo disso, demonstrando ser possível construir com materiais naturais. Tomamos em consideração o ciclo hidrológico natural, a captação da água das chuvas, o uso de casas-de-banho secas que reduzem o consumo de água e uma abordagem arquitectónica que integra diversos tipos de espaços, lagos e lagoas, onde a natureza e os animais são bem-vindos.

Casa de Hóspedes / Espaço das Crianças
Campus e Centro Cultural

O Desafio

Desenvolvemos actualmente uma nova abordagem à integração dos Biótopos de Cura, dado que não existe ainda uma moldura legal para este novo tipo de povoamento humano. Esta é uma tarefa que diversos grupos e comunidades do mundo inteiro precisam de realizar se pretendem colocar em prática novos modelos de povoamento para o futuro.

Candidatámo-nos à alteração da classificação do uso do território e demos início ao processo PIER – Plano de Intervenção em Espaço Rural. Acompanhados pelo município de Odemira e por uma equipa de arquitectos, estamos a colaborar num plano para alterar a classificação do espaço actual de Tamera. Acreditamos que a nossa cooperação com as autoridades pode ser mutuamente benéfica, e que as as técnicas de gestão e construção ecologicamente sustentáveis utilizadas em Tamera podem ser integradas no panorama político e regulatório da região. Um avanço no nosso processo pode estabelecer um precedente para o início de outros projectos de comunidades ecológicas em Portugal e na Europa.

O desenvolvimento de Tamera como modelo de povoamento humano, está a ser observado e documentado cientificamente. Sendo esta uma região sujeita ao despovoamento e à desertificação, demonstramos assim um outro caminho para o Alentejo, rumo a um futuro abundante de comunidades e sustentabilidade.

Ao passarmos pelo processo PIER, estabelecemos globalmente um precedente para futuros projectos comunitários, seguindo o exemplo do País de Gales, que criou legislação para o uso holístico do território, face a desafios semelhantes.

Como Apoiar

  • Faça um donativo. Nos últimos três anos, investimos cerca de 50.000 euros na preparação do processo PIER. No Outono de 2018, o orçamento total prevê-se na ordem dos 200.000 euros, investido maioritariamente no trabalho de planeamento efectuado por arquitectos e na colaboração com o município.
  • Ajude-nos a divulgar os nossos planos, as nossas vitórias, os nossos ideais e os nossos livros pelo público Português.
  • Partilhe-os com jornalistas, líderes de opinião e decisores.
  • Organize seminários, saraus ou outros eventos para informar as pessoas sobre o nosso trabalho e os nossos planos – quantas mais pessoas estiverem ao corrente deste trabalho, maior a probabilidade de surgirem outros apoios ao processo de planeamento.

Se é arquitecto e está interessado em apoiar a realização desta visão, envie-nos um email para: solarvillage(at)tamera(dot)org.

www.tamera.org